O que o consumo de bebida alcoólica faz com a saúde

Coisas que uma grávida não deve fazer
Coisas que uma grávida não deve fazer
13 de julho de 2017
atividade física ideal para seu corpo
Descubra a atividade física ideal para seu corpo
13 de julho de 2017

O que o consumo de bebida alcoólica faz com a saúde

consumo de bebida alcoólica

É inegável que o álcool, assim como qualquer outra droga lícita ou ilícita, causa um grande número de malefícios para à saúde humana.

Por meio de pesquisas, hoje já se sabe que dentre os problemas causados por está que é considerada a droga mais popular de todo o mundo estão à diabetes tipo 2, cirrose hepática, um grande números de doenças cardiovasculares, doenças gastrointestinais, problemas durante a gestação e pancreatite, somente para citar alguns exemplos.

Dessa forma, o combate ao consumo excessivo do álcool é hoje uma questão de saúde pública no Brasil, e tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) quanto às operadoras de planos de saúde privados, como Unimed, Amil e Bradesco Saúde, têm um importante papel neste combate.

Assim, estas operadoras de planos de saúde têm como obrigação fornecer coberturas para as doenças causadas pelo consumo excessivo de álcool e fazer campanhas de alerta sobre os perigos que seu uso representa para a saúde e para a sociedade como um todo.

Consumo de bebida alcoólica e o plano de saúde

Como já foi dito, são inúmeras as doenças causadas pelo consumo excessivo de álcool, incluindo alguns tipos de cânceres bastante perigosos para a saúde.

No entanto, devido ao fato de se tratar de uma droga, até pouco tempo atrás era comum que as operadoras de planos de saúde não apresentassem coberturas para alguns tipos de doenças e para internação derivada de problemas relacionados diretamente ao álcool.

Ainda hoje, os textos das clausulas são bastante ambíguos e causam divergências de interpretação de pessoa para pessoa, então é necessário ficar atento a isso e esclarecer o máximo de dúvidas durante a contratação do plano de saúde.

Contudo, com o crescente número de reclamações dos usuários – para se ter ideia, somente nos três primeiros meses de 2017 a justiça da cidade de São Paulo julgou aproximadamente 117 processos por dia relacionados a reclamações contra operadoras de planos de saúde -, o panorama indica estar favorável aos clientes.

Com as decisões favoráveis aos usuários pela justiça e pelas campanhas promovidas pelas operadoras, estão ocorrendo mudanças extremamente significativas nos comportamentos de risco dos usuários, não só os relacionados ao álcool, mas também outras drogas, exercícios e alimentação .

Segundo a pesquisa Vigitel, realizada em 2016 pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, apesar de não ter indicado queda, se manteve estável.

Se por um lado está é uma ótima notícia, por outro o número de doenças associadas ao consumo de álcool cresceu. O número de pessoas diagnosticadas com hipertensão arterial cresceu 3,2% em relação à 2006, assim como o número de diabetes, que aumentou 4,4% neste período.

Dessa forma, é necessário que à rede credenciada do seu plano de saúde tenha capacidade para atender esta enorme demanda de doenças crônicas é potencialmente perigosas para as pessoas pois, independente destes dados, é necessário lembrar que os planos de saúde devem cobrir essas doenças, perfazendo crime se à operadora se recusar à tanto.

Para Alex Barbosa do Curso Online EAD, “Ter uma boa alimentação é essencial para manter a saúde. E aprender mais sobre Detox (sucos, sopas, shakes e saladas), pode ajudar em uma vida mais saudável”.

Operadoras de saúde e alcoolismo

Além das doenças causadas pelo álcool, é necessário lembrar que o alcoolismo é uma doença em si, é como tal deve ser tratada, e embora muitas operadoras se recusam a oferecer esta cobertura, muitos planos de saúde são obrigados por lei a fornecer o tratamento para o alcoolismo.

Como exemplo, podemos citar uma ação ganha em 2015 por um paciente do plano de saúde da Bradesco Saúde, ocorrido em Brasília. A juíza Luciana Corrêa Torres de Oliveira, da 20° Vara Cível de Brasília, a partir do entendimento que os cláusulas dos planos de saúde devem sempre beneficiar ao consumidor, deu causa ganha ao paciente que tinha seu direito negado de continuar à internação devido ao alcoolismo.

Os comentários estão encerrados.